qui, 30 de novembro

Entenda as culturas diversas para se adaptar a empresas de outros países

Muitas pessoas têm dificuldade de se adaptar à cultura de uma empresa e não sabe o motivo. Ou, ainda, tudo corre bem no Brasil, mas na hora de lidar com a matriz que fica no exterior, é uma dificuldade. O mesmo vale para quem vai trabalhar no exterior ou vem de lá para atuar no Brasil.

A melhor maneira de superar isso é analisar a cultura da empresa na qual você está. É verdade que todos nós somos influenciados por muito mais do que somente cultura. No entanto, não podemos ficar cegos às reais diferenças entre os povos, qual a leitura que cada um faz sobre o que está a sua volta.

É preciso considerar que, muitas vezes, essa cultura organizacional vem da sede, de seu país de origem. Por isso, entender qual o modo de operação daquele local pode ajudar muito na sua adaptação, a entender os tipos de comportamentos aceitáveis ou não, e a evitar dificuldades de comunicação, principalmente em relação à matriz.

Para te ajudar nisso, compartilhamos hoje uma forma bem simples para entender a diversidade cultural – o Modelo Disciplinar, de Richard D. Lewis. De acordo com ele, existem três tipos de cultura:

:: Linear: Representada por países de origem germânica e anglo-saxônica. As pessoas de culturas lineares acreditam que se deve fazer uma coisa por vez, dentro de uma sequência e prazo programados. Gostam de ordem, são metódicas, planejam tudo em detalhes. Analisam fatos antes de tomar qualquer decisão e são diretos e francos em negociações. Não interrompem quando outra pessoa está falando. Gostam de privacidade, não demonstram emoções e sempre separam o social do profissional.

:: Multidisciplinar: Mais presente em países latinos. Tem como característica fazer várias coisas ao mesmo tempo e preservam o relacionamento antes de qualquer coisa. O que acontece agora é mais importante do que cumprir a agenda. Por isso, para essa cultura pontualidade é relativa. As pessoas tendem a socializar e falar muito, não se constrangem ao interromper o outro, escrevem e planejam pouco.

:: Reativa: As culturas orientais são as mais representativas desse modelo. Para elas, o comportamento de alguém sempre é uma reação a algo. Consideram o tempo cíclico, e o que não foi resolvido hoje será feito no próximo. Procuram entender bem a intenção do outro e tomam decisões com calma. Planejam tudo lentamente e de forma holística. São respeitosos, bons ouvintes, nunca interrompem e evitam confrontos. Também são calmos, pacientes e colocam a honra acima de tudo – a de si e a dos outros. Para eles, palavra dada é promessa feita.

 

Existem outros modelos existentes que podem completar essa visão, como o de Geert Hofstead (muito usado hoje em dia) ou de Fons Trompenaars. Mas isso é assunto para um próximo tema.

Até mais!